A maioria não admite, mas há muitos advogados que ficam nervosos quando precisam encarar uma audiência. E o motivo desse nervosismo é simples: insegurança! E por que um advogado ficaria inseguro ao pensar em como se comportar em uma audiência? Uma resposta a essa pergunta pode ser por não saber como se conduzir no embate com o colega, na tentativa de convencer o juiz.

Bom, você conhece o processo, já se inteirou de tudo que diz respeito e afeta o objeto da causa, então agora só precisa de umas dicas sobre como atuar. Continue a leitura do post para saber mais! 

Como se comportar em uma audiência

A forma como um profissional se porta durante um evento da importância de uma audiência pode afetar o desfecho do seu caso, já que o comportamento do advogado impacta diretamente em sua credibilidade.

É por isso que escrevemos este artigo, para te ensinar (ou relembrar, se for o caso) como se comportar em uma audiência, em 3 importantes dicas, para que você se sinta seguro e tranquilo. Acompanhe!  

1. Preparo

O primeiro passo é rever todo o processo, a legislação aplicável, a jurisprudência a respeito, focando nos pontos controversos. Pontos controversos são aquelas circunstâncias não acatadas pela outra parte, aquilo sobre o qual não há consenso.

Um bom advogado é proativo, ou seja, ele tenta prever quais podem ser os contra-argumentos do colega e se prepara para derrubá-los. Trocar ideias com colegas ou grupos de discussão também ajuda muito a antever algumas questões.

Mas, lembre-se que a ética determina tratar de casos com terceiros apenas hipoteticamente (sem mencionar nomes e detalhes que permitam identificar as partes e a causa).

2. Postura

Durante a audiência, mantenha a educação, o palavreado adequado e uma atitude sempre tranquila, buscando, quando possível, a conciliação e a mediação. Normalmente, o cliente fica nervoso na frente do juiz ou quando confrontado com a outra parte, por isso, não colabore para que ele se enerve ainda mais.

Procure passar segurança e tranquilidade, pois isso transmite credibilidade tanto para seu cliente quanto para o magistrado. Usar adequadamente os pronomes de tratamentos para cada um dos presentes transmite respeito e também demonstra segurança: meritíssimo e excelência para juízes e desembargadores, doutor e senhor para promotores e advogados e senhor para as partes e testemunhas.

Marque previamente os pontos importantes na sua cópia do processo e na legislação, para consulta, e leve suas anotações e perguntas prontas em caso de oitiva de testemunhas ou depoimento pessoal.

3. Vestimenta

Talvez você se lembre de um caso de grande repercussão, que viralizou na internet, quando um desembargador foi filmado chamando rigidamente a atenção de uma advogada sobre a roupa que ela usava. Ele considerou um desrespeito ela realizar a sustentação oral com uma peça de vestuário de alças finas (estilo camiseta). Nada curto, nada decotado, apenas alças em vez de mangas.

Parece exagerado, mas não vamos entrar no mérito da questão. É importante apenas que você se lembre que audiência, quando está em jogo o interesse de seu cliente, não é hora de querer se impor e mudar as regras do exercício da profissão. Vista-se de acordo com o exigido (consulte as regras internas dos tribunais sobre o assunto) e encontre outra forma de protestar a respeito.

Seguindo essas dicas, é fácil evitar situações de constrangimento e contratempo nas audiências. Lembre-se que sua postura deve sempre ser condizente com a nobreza da profissão e que decoro e honradez são bem-vindos em qualquer ambiente.

Você aprendeu como se comportar em uma audiência e viu o quanto isso pode trazer segurança e tranquilidade para você e para seu cliente. Agora é hora de analisar sua carreira e avaliar se aquele convite para constituir uma sociedade de advogados realmente vale a pena.

Leia Também

Deixe seu comentário