Você já ouviu falar em clipping na área jurídica? Embora muitas vezes seja negligenciada ou deixada de lado pelas empresas, essa prática é demasiadamente importante e pode ser muito útil até mesmo em processos judiciais.

A relevância do clipping é tanta que já existem inclusive empresas seguradoras, que garantem que, se houver atraso na confecção do documento, o contratado será indenizado com altos valores.

Mas o que é, de fato, o clipping e qual é a sua importância na área jurídica? É sobre isso que falaremos neste post. Portanto, se você tem dúvidas ou quer aprender mais sobre o assunto, continue conosco!

O que é clipping?

A palavra clipping vem do inglês, derivada de clip, que significa cortar ou grampear. Trata-se, portanto, de fazer recortes de jornais e revistas com matérias e reportagens que envolvam a empresa para a qual está se prestando o serviço. Na atualidade, com a ascensão da Internet e novas tecnologias, esse trabalho também inclui os materiais publicados em portais de notícias, Diário Oficial e redes sociais.

O clipping é uma ferramenta muito utilizada por assessores de imprensa e relações-públicas, que fazem esse trabalho para mensurar a quantidade de vezes que a imprensa fala sobre os seus clientes e, assim, analisar quanto de mídia gratuita se conseguiu em determinado período.

No entanto, não é apenas o setor de comunicação e marketing que se beneficia do clipping. Áreas como a jurídica também se beneficiam desse trabalho, conforme veremos na sequência.

Por que o clipping na área jurídica é importante?

O mapeamento de informações é muito relevante na área jurídica, pois contribui para o processo decisório nos tribunais, por exemplo. Assim como as empresas contratam assessores para fazer a clipagem de publicações feitas sobre as suas marcas, os escritórios de advocacia contratam o serviço para coletar informações sobre os casos em que estão trabalhando.

Desse modo, se um advogado da área criminal, por exemplo, estiver defendendo um caso de grande repercussão regional ou nacional, poderá contratar um serviço de clipping para monitorar e fazer um relatório com todas as aparições do caso nas mídias diversas.

Esse documento pode ser útil para comparar informações e opiniões de jornalistas e especialistas na área em questão para apresentar como provas ou argumentos nos processos judiciais.

Como fazer um clipping eficiente na área jurídica?

Existe uma série de boas práticas que podem ser colocadas em ação para fazer um clipping eficiente na área jurídica. Veja as principais delas nos tópicos a seguir.

Tenha um objetivo

O primeiro passo para realizar um clipping é ter um objetivo claro e definido. Para as empresas, ele pode servir para demonstrar quantos órgãos da imprensa falaram sobre um evento ou lançamento de um produto, por exemplo.

Já no setor jurídico, na maioria dos casos, o instrumento é utilizado para coletar informações publicadas acerca de casos defendidos pelo advogado contratante, como notícias sobre crimes ou temas que se complementam.

Monitore as notícias

Para realizar um clipping, é preciso estar atento a todas as mídias, para conseguir coletar todas as aparições na mídia do caso que está sendo monitorado. Algumas ferramentas podem facilitar esse trabalho, como o Google Alerts.

Trata-se de uma ferramenta do Google, em que é possível cadastrar palavras-chave e receber notificações sempre que uma nova publicação for feita na web sobre aquele assunto.

Apesar disso, para as mídias tradicionais, como os jornais e revistas e as emissoras de rádio e televisão, é preciso um trabalho mais árduo, uma vez que não existem ferramentas que monitorem esse tipo de mídia. Por isso, o desenvolvedor do clipping precisa estar sempre de olho nesses canais.

Utilize um método

É preciso adotar um método claro e bem definido para fazer o monitoramento de informações. Para isso, recomenda-se sempre um planejamento estratégico, que precisa ter um fluxo de trabalho no momento da realização do clipping.

Você pode fazer um organograma com todo o processo estruturado e, como já mencionado anteriormente, utilizar ferramentas que facilitem todo o trabalho. A metodologia correta é a chave do sucesso de um processo de clipping.

Seja organizado

Para não se perder em meio a tantas informações, você precisa organizar muito bem o seu trabalho no momento da clipagem. Para isso, é recomendado que crie pastas e as organize por data, local de publicação, tipo de mídia, entre outras classificações que julgar interessantes para facilitar o seu trabalho.

Também é recomendado que esse processo seja feito desde o início do trabalho e não apenas quando já estiver disponível uma quantidade muito grande de informações sobre o assunto pesquisado.

Não ignore as notícias negativas

Apesar de, no meio jurídico, as notícias ou críticas negativas em relação a um caso não serem úteis nos tribunais, elas jamais podem ser ignoradas em um processo de clipping.

Isso se justifica pelo fato de o advogado precisar ter o conhecimento de tudo aquilo que está sendo dito nas mídias sobre quem ele defende. É claro que uma notícia negativa não poderá ser apresentada como prova em um tribunal, mas é importante saber que ela pode até mesmo ser utilizada como evidência pela outra parte e é preciso estar preparado para isso.

Faça relatórios completos

Após realizar o monitoramento e coleta das notícias ou reportagens sobre o assunto que você está clipando, é chegado o momento de fazer relatórios organizados e completos para que essas informações possam ser facilmente localizadas.

A estrutura básica de um relatório de clipping pode apresentar as notícias catalogadas, contendo o nome do veículo em que foi publicada, o nome do jornalista ou colunista que escreveu o texto, a data e o local da publicação etc.

Agora você já entende a importância do clipping na área jurídica. Por isso, sempre que for necessário, recorra a essa ferramenta para os casos em que trabalha, pois essa ferramenta pode ser a garantia do sucesso para você e seus clientes.

E, se quiser continuar aprendendo sobre clipagem, recomendamos que leia o nosso artigo “Como acompanhar e fazer o recorte de publicações no Diário Oficial?”. Ele traz informações e dicas sobre como acompanhar as informações nesse importante canal de comunicação.

Leia Também

Deixe seu comentário