Com a aprovação do Novo Código de Processo Civil em 2015, cresceu a demanda pela mediação de conflitos e, consequentemente, pelos serviços do advogado mediador. Contratar esse profissional é uma forma mais prática e eficiente para resolver dissabores significativos que, passando por todas as etapas de um processo judicial, poderiam levar anos para terem solução.

Nesse sentido, a figura do mediador surge para mitigar a superlotação do Judiciário e melhorar a qualidade de vida daqueles que foram lesados. O trabalho do advogado consiste em reunir-se com as partes interessadas, tomando atitude imparcial, para auxiliar na resolução do conflito.

Apesar de ainda ser uma área pouco conhecida pela maioria da população, a tendência para os próximos anos é de que esse se torne um mercado de trabalho promissor. Abaixo, listamos os principais benefícios que você pode aproveitar atuando nessa área:

1. Oportunidade para se destacar no mercado como Advogado Mediador

Todos os anos, milhares de estudantes de Direito se formam e entram no mercado de trabalho brasileiro. Nesse contexto, uma das melhores formas de se destacar é fazendo aquilo que poucos fazem, como o trabalho em mediação.

O pioneirismo é provavelmente o melhor diferencial possível para sua carreira, pois mostra que você é um profissional que se mantém sempre atualizado. Ainda, como a demanda por um advogado mediador tem aumentado, a área de atuação é uma das poucas na contramão da crise econômica que afeta o país.

2. Pouca capacitação adicional requerida

Embora represente uma boa oportunidade profissional para advogados, qualquer pessoa que possua Ensino Superior concluído há pelo menos dois anos pode ser mediador.

Aos diplomados, basta capacitar-se realizando um dos cursos credenciados pelo Tribunal de Justiça. A maioria deles é no formato de videoaula, e isso é uma grande facilidade para quem tem uma rotina atribulada. Após a conclusão do curso, são necessárias no mínimo 20 horas de prática em Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSCs).

3. Apoio ao desenvolvimento profissional e pessoal

O trabalho como mediador demanda, além de habilidades profissionais, uma série de qualidades, como paciência, poder de persuasão e capacidade criativa para solucionar conflitos.

É preciso lidar bem com pessoas de todos os tipos, sempre mantendo a calma e promovendo o respeito e o diálogo entre partes contrárias. Esse tipo de experiência certamente tornará você uma pessoa mais apta a lidar com confrontos, tanto na realização de outras atividades profissionais quanto no relacionamento com seus amigos e familiares.

4. Remuneração rápida

Quem advoga sabe que, muitas vezes, o pagamento só chega depois de longos anos. Embora ainda haja discussão quanto à remuneração, justamente por se tratar de área de trabalho nova e muito procurada, o pagamento tende a ser muito mais rápido.

Além disso, a remuneração representa um rendimento razoável para aqueles que entraram no mercado de trabalho há pouco tempo — geralmente, o mediador recebe até R$ 44 por hora (podendo trabalhar por um máximo de 72 horas semanais).

5. Versatilidade profissional

Além de toda a experiência adquirida, o advogado mediador ainda poderá atuar de maneira convencional, exceto na Vara onde exerce a função de mediador. Em caso de mediação em Câmaras Privadas de Direito, não há restrição.

Ou seja, a opção por ser mediador permite que você também desempenhe outras atividades, tornando-se um profissional com múltiplas capacitações. Essa é uma característica que agrega grande valor a seu currículo e proporciona variadas fontes de renda.

Investir em uma área em ascensão pode parecer arriscado no início, mas ao atuar com mediação, a sua nova função pouco interferirá na atual e pode até mesmo ser vista como um complemento. É justamente isso que torna o trabalho como advogado mediador tão atraente!

Agora que você já sabe os benefícios dessa ocupação, venha descobrir como se tornar um advogado empreendedor de sucesso!

Leia Também

Deixe seu comentário