Impostos
Powered by Rock Convert

Veja na prática quais as principais diferenças entre os impostos a recolher e a recuperar, e saiba como publicar no Diário Oficial.

Para compreender os detalhes que permeiam o assunto, primeiramente, é preciso conceituar as expressões. Ainda que possam parecer conceitos simples, costumam gerar diversas dúvidas entre os empresários.

O que são os impostos a recolher e a recuperar

 

  • Impostos a recolher

 

São os valores que a empresa deve pagar. A expressão representa os tributos pagos pelas empresas ao governo, como pela venda de produtos, por exemplo.

O “ICMS a recolher”, por exemplo, é o imposto a ser pago pela venda de mercadorias, calculado mediante o valor de cada venda e situação tributária de cada mercadoria.

No caso de ICMS, do montante que é pago, é preciso subtrair a quantia que a empresa possui de ICMS a recuperar, que é uma porcentagem referente à compra de mercadorias.

 

  • Impostos a recuperar

 

Se trata de um valor que é tirado do montante que a empresa tem a recolher. É uma norma aplicada no ato de compra de mercadorias.

Recebem esse título pois, no momento da venda, além do valor a recolher, há um saldo de compras a recuperar, que deverá ser tirado e usado no cálculo final do tributo a ser pago. Segue o exemplo:

Se a empresa deve pagar mil reais de ICMS em uma venda, mas conta com um valor de 250 reais de saldo a recuperar, o valor total do tributo a ser pago será de 750 reais (e não de mil).

É importante destacar que a organização só identifica a conta de impostos a recuperar no momento de confrontar o débito e o crédito dos impostos na elaboração do balanço patrimonial.

Diferença entre os impostos a recolher e a recuperar

Conceituar ambas expressões já deixa uma noção clara da principal diferença entre os dois impostos: enquanto o “a recolher” é uma obrigação para a empresa, o “a recuperar” representa um direito.

Os impostos a recolher representam uma obrigação da empresa para com o governo, relativos a um montante devido e recebem classificação passiva.

Os impostos a recuperar, por sua vez, são valores que já foram recolhidos e que podem ser recuperados (em partes) mediante a compensação de tributos.

Nesse caso, devem sempre ser de mesma natureza, com exceção para disposição legal contrária (mas ainda assim devem ser administrados pelo mesmo ente).

Por exemplo: Não é possível recuperar IPI federal e administrado pela Receita Federal com ICMS estadual administrado pelo SEFAZ.

Os impostos a recuperar são considerados ativos, e isso significa que, de certa forma, um imposto “compensa” o outro.

Todavia, é crucial saber que o imposto a recolher é uma obrigação consolidada, ou seja, sempre vai existir, enquanto que o imposto a recuperar se faz presente quando a empresa termina seu balanço patrimonial com um valor de créditos maior que o de débitos.

Acesse e publique no Diário Oficial pela internet

Por meio do Diário Oficial-e, é possível acompanhar todas as novidades referentes aos impostos a recolher e a recuperar, e também publicar balanço patrimonial no Diário Oficial da União, dos Estados e dos Municípios.

Navegue pelo site e tire todas as suas dúvidas.

Veja mais: Publicação diário oficial MG | Publicação diário oficial RJ | Publicação no diário oficial do estado do Pará

Leia Também

Deixe seu comentário