Leis trabalhistas e as principais mudanças

Leis Trabalhistas
5 minutos para ler

As leis trabalhistas são um conjunto de regras que visa assegurar garantias e proteções aos trabalhadores. As primeiras leis trabalhistas surgiram após a primeira Revolução Industrial, a qual ocorreu na segunda metade do século XVIII na Inglaterra.

Essa revolução foi responsável por grandes transformações na sociedade, uma vez que, até então, o trabalho era realizado sob as próprias instalações dos trabalhadores, de modo artesanal, sem que houvesse uma padronização e carga de trabalho pré-estabelecida por um empregador. 

Naquela época, os trabalhadores enfrentaram diversas dificuldades, como salários baixos, carga horária exaustiva, condições insalubres e perigosas de trabalho, dentre outros. As más condições de trabalho levaram os trabalhadores a se organizarem e reivindicarem seus direitos. 

A partir daí, vários países passaram a adotar suas próprias leis trabalhistas, a fim de disciplinar as relações de trabalho, sendo um deles o Brasil. 

Como a sociedade permanece em constante transformação, as leis trabalhistas tendem a ser alteradas ao longo do tempo. Em 2017, ocorreu a reforma trabalhista, que trouxe diversas mudanças. Confira este artigo e conheça as principais!

O que é CLT?

CLT é a sigla para Consolidação das Leis do Trabalho, a qual foi promulgada por Getúlio Vargas em 1º de maio de 1943. Já vigorava uma legislação trabalhista no país antes de surgir a CLT, no entanto, ela não estava unificada em um único documento. 

Durante a Era Vargas, o Estado investiu significativamente na industrialização do país. Isso acarretou uma expressiva massa de trabalhadores, que estavam todos reunidos em fábricas e se organizando em sindicatos. 

Diante disso, Vargas consolidou as leis trabalhistas com o intuito de controlar esses sindicatos, pois, ao reconhecê-los perante o Estado, era possível estabelecer suas regras de atuação.

Direitos garantidos pela CLT

  • Salário-mínimo: corresponde ao valor mínimo que um trabalhador deve receber, a fim de atender às suas necessidades básicas mensalmente;
  • Férias remuneradas: as leis trabalhistas garantem ao trabalhador 30 dias de férias remuneradas, os quais podem ser divididos em até três momentos distintos ao longo do ano, sendo um deles igual ou superior a 14 dias e os demais iguais ou superiores a 5 dias;
  • FGTS e aposentadoria: o empregador tem o dever de recolher uma porcentagem do salário do empregado todo mês e destiná-la para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e aposentadoria;
  • 13° salário: o trabalhador tem direito de receber no final do ano um salário adicional, o qual poderá ser pago em duas parcelas pelo empregador;
  • Greve: é garantido perante o Estado o direito à greve, desde que os trabalhadores comuniquem ao empregador previamente e documentem suas reivindicações;
  • Licença maternidade e paternidade: é assegurado à mulher o direito de se ausentar do trabalho pelo período de 120 dias após o parto, sem prejuízo na remuneração e com estabilidade empregatícia desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. Ao homem, são concedidos até 20 dias de afastamento;
  • Ausência justificada: o empregado tem o direito de se ausentar em determinadas circunstâncias, desde que justifique-as;
  • Saúde: o empregador é obrigado a arcar com os custos de exames admissionais, demissionais e periódicos, bem como fornecer EPIs e adicional por insalubridade e periculosidade caso o trabalhador coloque sua saúde sob risco ao exercer sua atividade laboral;
  • Direitos demissionais: o empregador que demitir um funcionário sem justa causa deve pagar salário, férias e 13° proporcional ao tempo de trabalho do empregado, bem como multa sobre o valor total do FGTS.

Reforma trabalhista: principais mudanças

  • Trabalho intermitente: o empregador pode contratar os serviços de um trabalhador por um período de horas ou dias;
  • Férias remuneradas: anteriormente, era possível dividir as férias em dois períodos distintos ao longo do ano, sendo que um deles devia apresentar no mínimo dez dias, com a reforma trabalhista, passou a vigorar a regra apresentada previamente em “Direitos garantidos pela CLT”;
  • Horário de almoço: o período destinado para o funcionário realizar suas refeições pode ser negociado entre empregador e empregado, contudo ele não pode ser inferior a 30 minutos;
  • Deslocamento: antes da reforma trabalhista, o tempo de deslocamento do empregado até o local de trabalho era considerado como parte da sua jornada caso a empresa fosse muito distante da residência do funcionário, agora, o período de deslocamento não é contabilizado como jornada de trabalho;
  • Jornada de trabalho: atualmente, o funcionário pode trabalhar por 12 horas seguidas, desde que sejam oferecidas 36 horas de descanso posteriormente;
  • Banco de horas extras: o banco de horas extras, que era estabelecido em acordo coletivo, agora é negociado individualmente e, caso o funcionário não utilize as horas extras em até seis meses, deve ser pago com um adicional de 50% sobre o valor;
  • Terceirização: atualmente, é possível terceirizar também as atividades-fim de uma empresa;
  • Demissão: antes da reforma, o empregador era obrigado a pagar uma multa de 40% sobre o valor do FGTS e permitir que o ex-funcionário retirasse o valor integral do FGTS, agora, é possível que o empregado e o empregador negociem esse valor;
  • Trabalho remoto: com a reforma trabalhista, foi reconhecida em lei a modalidade de trabalho remoto.

Mantenha-se atualizado sobre as leis trabalhistas e temas afins

O Diário Oficial-e tem como objetivo apoiar empresas em publicações oficiais no Diário Oficial da União (DOU). Além disso, oferece conteúdo informativo para seus usuários sobre diversos temas relacionados ao mundo dos negócios, dentre eles, atualizações sobre as leis trabalhistas.

Portanto, se você deseja se manter informado ou publicar um documento oficial no Diário da União, conte com o Diário Oficial-e!

Você também pode gostar

Deixe um comentário