Lei de responsabilidade fiscal: o que preciso saber?

4 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Recentemente, temos visto nos noticiários muitas penalidades aos gestores públicos que não souberam utilizar os recursos financeiros do governo de forma legal. As condutas e as sanções estão previstas na chamada Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF. Continue a leitura e saiba mais!

O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei Complementar nº 101 foi promulgada em 2000, no governo de Fernando Henrique Cardoso, e estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal. É uma espécie de código de conduta para os administradores públicos de todo o país.

Essas normas se aplicam a União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Abrange, inclusive, os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, os Tribunais de Contas e o Ministério Público. Por fim, obrigam também as respectivas administrações diretas, fundos, autarquias, fundações e empresas estatais dependentes.

As regulamentações da lei

Com o objetivo de melhorar a administração das contas públicas, a lei traz normas a respeito de assuntos como:

  • Planejamento: Lei de Diretrizes Orçamentárias, Lei Orçamentária Anual, execução orçamentária e cumprimento das metas;
  • Receita pública: previsão, arrecadação e renúncia;
  • Despesa pública: geração da despesa, despesas com pessoal e com a Seguridade Social;
  • Transferências voluntárias;
  • Destinação de recursos públicos para o setor privado;
  • Dívida e endividamento;
  • Gestão patrimonial;
  • Transparência, controle e fiscalização da gestão fiscal.

O compromisso com o orçamento e com as metas passa pela fiscalização do Poder Legislativo, e só é possível ser concretizado por meio das regras de gestão fiscal.

Principais regras para a gestão fiscal

A LRF traz em seu escopo muitas normas importantes para a utilização dos recursos públicos. Algumas regras podemos citar como principais, como as que se seguem.

Limite de gastos com pessoal

União, Estados e Municípios têm, respectivamente, 50%, 60% e 60% da receita corrente líquida como limites máximos para gastos com pessoal. Essa porcentagem é distribuída para gastos com os 3 poderes, com os Tribunais de Contas e com o Ministério Público.

Dívida pública

A lei busca por um equilíbrio autossustentável, que prescinde de operações de crédito para que não se aumente a dívida pública. Há, assim, um limite máximo de endividamento: a dívida pública não pode ultrapassar o valor correspondente a duas vezes (Estados) ou 1,2 vezes (Municípios) a receita corrente líquida. Se houver excesso de endividamento, o município tem até 15 anos para corrigir.

Ano eleitoral

A lei prevê restrições em anos de eleição, como, por exemplo:

  • É proibida a contratação de operações de crédito por antecipação de receita orçamentária;
  • É proibido contrair despesa que não possa ser paga no mesmo ano, exceto se houver disponibilidade em caixa, caso em que poderá ser transferida para o ano seguinte;
  • É proibido aumentar a despesa com pessoal nos Poderes Legislativo e Executivo nos 180 dias anteriores ao final da legislatura ou mandato dos chefes do Poder Executivo.

O governante que desrespeitar as normas da LRF está sujeito a sanções institucionais (previstas na própria LRF) e pessoais (previstas na lei de Crimes de Responsabilidade Fiscal).

A Lei de Responsabilidade Fiscal é de suma importância para a gestão dos recursos públicos no Brasil. Não sem razão, o próprio governo elaborou uma cartilha que ajuda a compreender ponto por ponto dessa norma.

Se essa introdução à LRF lhe foi útil, que tal compartilhar o conteúdo nas suas redes sociais?

Leia mais sobre: Como Publicar no Diário Oficial

Você também pode gostar

Deixe um comentário